O mundo inteiro está se preparando para a chegada da tecnologia e velocidade do 5G. As previsões são de que, em um futuro próximo, a humanidade poderá desfrutar de automóveis que circulam sem motorista, dispositivos mais poderosos de realidade aumentada, encomendas entregues por drones e assim por diante.

Porém, há um aspecto talvez menos comentado dessa revolução digital: o impacto que o 5G terá sobre a medicina. Cada nova geração das redes de banda larga aumenta a capacidade de transmitir dados em tempo real.

O atual 4G possibilita, por exemplo, que as pessoas usem aplicativos de transporte, ou realizemos chamadas de vídeo com vários participantes. Já o 5G aumenta exponencialmente a quantidade de informações trocadas por segundo, permitindo realizar à distância operações muito mais intricadas.

Quando falamos de velocidade de transmissão de informação, fazendo uma breve comparação, estamos falando de um aumento de 10 a 20 vezes a velocidade experimentada hoje com a tecnologia 4G.

Leia também:

Por outro lado, isso significa avanços para a medicina, por exemplo, que médicos especialistas poderão monitorar e controlar remotamente unidades de terapia intensiva, recebendo em tempo real os dados vitais do paciente e sua imagem em vídeo de alta definição.

Além disso, poderemos ter exames complexos, como ressonâncias, poderão ser conduzidos à distância, com transmissão imediata dos resultados.

Esses procedimentos não são possíveis hoje pois há uma atraso na transmissão dados mais “pesados”. Isso porque nos instantes necessários para que uma mensagem de vídeo seja baixada no seu celular. A rede de 5G elimina esse atraso. A troca de informações, arquivos ou comandos passa a ser instantânea.

Portanto, novos caminhos se abrem, até para a telemedicina robótica. Hoje já empregamos robôs em tarefas que vão do monitoramento de pacientes até a realização de algumas cirurgias. O 5G abre a possibilidade de controlar esses equipamentos à distância, com as mesmas garantias de segurança que existem hoje.

Representação de telemedicina
Telemedicina
Créditos: Shutterstock

Inclusive, também potencializa o uso do que é chamado de internet das Coisas (IoT) de forma a popularizar a adesão à outros dispositivos como relógios e pulseiras inteligentes, speakers, equipamentos de medição de sinais vitais entre outros, que permitirão complementar os dados que hoje são coletados em sua maioria pelo uso de smartphones,.

A chamada “revolução do 5G” é um processo irreversível. A medicina, como tudo na sociedade, caminha para um futuro crescentemente informatizado. O desafio será equacionar o princípio do atendimento humanizado, que norteia o trabalho de todo bom profissional de saúde, com um ambiente hospitalar cada vez mais digital.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Como a tecnologia do 5G promete revolucionar medicina remota apareceu primeiro em Olhar Digital.