Auto Added by WPeMatico

A Claro Brasil divulgou nesta terça-feira (19) os resultados financeiros do terceiro trimestre de 2021. De acordo com o documento, a companhia registrou receita de R$ 9,87 bilhões, uma ligeira alta de 0,2% se comparado ao mesmo período de 2020.

O EBITDA da empresa, referente ao lucro antes de impostos, depreciações e amortizações, ficou estável em R$ 4,07 bilhões. A margem EBITDA passou de 41,3% no terceiro trimestre de 2020, para 41,2% agora.

A estabilidade corrobora com as recentes movimentações e estratégias da operadora que, no segmento móvel, ampliou a base de assinantes pós-pagos em 19,6%, adicionando 6,6 milhões de clientes em um ano. Com isso, a receita líquida de serviços móveis cresceu 8,9%.

Claro Brasil divulga resultados do 3° tri e apresenta ligeira alta em comparação a 2020. Imagem: Divulgação/Claro

No segmento corporativo, o crescimento foi de 119,1% na oferta de produtos para cloud; 170,3% em banda larga móvel; 23% em M2M/IoT e 18,5% em banda larga fixa – com cobertura para 34,3 milhões de casas em 330 cidades.

Em fibra óptica (FTTH), a companhia também ativou rede em 26 cidades no trimestre, somando 127 cidades e 2,8 milhões de domicílios e ou estabelecimentos corporativos cobertos pela rede da empresa.

“Encerramos setembro de 2021 com um total de 69,2 milhões de clientes móveis, liderando o saldo líquido de portabilidade, com 360,6 mil de linhas portadas no terceiro trimestre de 2021, atingindo um saldo positivo de 1,3 milhão linhas portadas em 2021”, afirmou a Claro, no balanço.

Leia mais!

Crédito da imagem principal: Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Claro Brasil divulga balanço trimestral e receita ultrapassa R$ 9 bi apareceu primeiro em Olhar Digital.

O McDonald’s anunciou nesta semana que vai iniciar os primeiros testes abertos de sua carne à base de plantas nos Estados Unidos, chamada de McPlant. O período de testes envolve apenas sete lojas do país e os burgers serão oferecidos aos clientes por tempo limitado neste momento.

Alguns dos concorrentes do McDonald ‘s já contam com alguma opção para carne vegetal no cardápio, como é o caso do Burger King que oferece o Whopper com burger da Impossibile nos Estados Unidos e da Rebel no Brasil. A demora pode ser explicada por uma diferença pequena no caso da rede de fast-food: a marca americana desenvolveu o próprio burger, em parceria com a Beyond Meat.

Leia também

McPlant (Imagem: divulgação/McDonald's)
McPlant (Imagem: divulgação/McDonald’s)

Segundo o McDonald’s, o McPlant inclui pão com gergelim, tomate, picles, cebola, maionese, ketchup, mostarda e uma fatia de queijo. Mesmo com carne vegetal, a escolha de ingredientes para o sanduíche não torna o produto uma opção vegana, mas sim vegetariana – exatamente como faz o Burger King com o Rebel Whopper.

A lista de ingredientes para a carne vegetal inclui ervilhas, arroz, batatas e a receita é exclusiva para os restaurantes da rede de fast-food. Isso significa que ela não poderá ser encontrada nos mercados onde a Beyond comercializa seus produtos, que incluem alguns lugares do Brasil.

McPlant do McDonald’s poderá ser comprado a partir de novembro

Os testes do McPlant serão iniciados a partir do dia 3 de novembro, com o sanduíche disponível por tempo limitado em sete restaurantes localizados apenas nos Estados Unidos. A lista de locais segue abaixo:

  • Irving
  • Carrollton
  • Cedar Falls
  • Jennings
  • Lake Charles
  • El Segundo
  • Manhattan Beach

Alguns países da Europa já receberam estes testes, como Suécia, Dinamarca, Holanda, Áustria e Reino Unido. Nestes locais a logística foi a mesma utilizada agora no país onde o McDonald’s nasceu: o McPlant fica disponível por tempo limitado e em poucos restaurantes de uma só vez.

Via: McDonald’s.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post McDonald’s começa a testar sua própria carne vegetal nos EUA apareceu primeiro em Olhar Digital.

A situação da China contra a criptomoeda pode resultar em uma proibição ainda maior. Segundo a Reuters, o país acrescentou a mineração de criptografia a uma possível “lista negativa” que limita ou proíbe totalmente os investimentos em alguns setores, sejam de chineses ou estrangeiros. 

Com isso, os investidores em potencial precisariam obter aprovações, o que é muito difícil uma vez que o país possui uma postura anti-criptográfica. O site Bitocoin.com pontuou que a Comissão de Desenvolvimento e Reforma da China está pedindo a opinião pública sobre a lista até 14 de outubro.

Leia mais:

Por outro lado, é duvidoso que isso mude a abordagem acerca da mineração de criptomoedas. A China considerou as transações criptográficas ilegais, alegando que a moeda digital gerou um aumento na lavagem de dinheiro e também outros crimes financeiros.

A China possui a sua própria criptomoeda, só que alguns suspeitam que a intenção seja apenas uma moeda mais estável e que possa controlar diretamente. Tudo isso pode fazer com que a criptomoeda seja impraticável na China. 

Fonte: Engadget

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post China limita investimentos em criptomoedas apareceu primeiro em Olhar Digital.

O Nubank está com quase 700. vagas abertas na área de tecnologia. Uma das maiores plataforma de serviços financeiros do mundo conta com mais de 40 milhões de clientes só no Brasil e as pessoas já podem se inscrever em diversas oportunidades para diferentes níveis de experiência dentro da empresa.

As vagas estão distribuídas em diversas áreas, como:

Além disso, outro ponto positivo da marca é que recentemente o Nubank foi reconhecido pelo ranking da Universum como uma das 10 empresas mais atrativas para os estudantes de tecnologia no país. Tanto que em 2019, o LinkedIn também escolheu o Nubank em 1ª lugar entre as 25 melhores empresas para se trabalhar.

Como se candidatar?

As candidaturas para as vagas do Nubank são online e o processo seletivo acontece de forma 100% remota.  Antes de se candidatar, verifique se você realmente atende a todos os requisitos essenciais do cargo, os quais estão na descrição de cada vaga. 

No site do Nubank estão disponíveis os cinco países em que possuem escritórios e também disponibiliza os pré-requisitos para cada posição, podendo ter acesso ao conhecimento de como é a cultura e a forma da empresa trabalhar.

Nubank. Imagem: Shutterstock

O processo seletivo remoto do Nubank

A empresa busca profissionais que se identifiquem com os seus valores e missão. Para isso, o Nubank criou um processo seletivo personalizado e que oferece uma boa experiência para as pessoas, independentemente do resultado.

O primeiro passo é a inscrição, momento importante em que é necessário preencher todas as informações pedidas. Caso o perfil for compatível com o da vaga, o time de recrutadores iniciará a jornada para conhecer melhor a versão pessoal e profissional do candidato.

Mesmo à distância e principalmente por conta da pandemia, o processo segue pelas etapas a seguir:

  • Entrevista inicial: através de uma ligação virtual com o recrutador, será feito algumas perguntas a fazer e espaço para as dúvidas. Se a entrevista corresponda às expectativas da equipe, a pessoa terá a oportunidade de conhecer virtualmente alguns membros da área.
  • Teste técnico: ainda de maneira virtual, as pessoas se encontraram com um grupo maior e apresentaram o seu trabalho, podendo ser no formato de case, entrevista de exercício de código ou uma proposta criativa. Mas antes, é enviado a data definida e informando o prazo para a realização do exercício. 
  • Entrevistas finais: o candidato conversa com outros integrantes dos times para ser avaliado da forma mais justa possível. Além disso, as entrevistas finais podem ser individuais ou coletivas.

Após toda as etapas, as pessoas envolvidas no processo seletivo decidem sobre a contratação do candidato ou candidata escolhida.

Fonte: Blog do Nubank

O post Nubank abre quase 700 vagas na área de tecnologia; saiba como se inscrever apareceu primeiro em Olhar Digital.

Na última sexta-feira (24), o conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou as regras gerais para a implementação do 5G no Brasil e marcou a data do leilão da tecnologia para o dia 4 de novembro.

Na reunião extraordinária foram discutidos os últimos ajustes para a licitação das radiofrequências 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz. Este será o maior leilão já realizado pela instituição.

Anatel marca leilão do 5G para 4 de novembro. Créditos: Dilok Klaisataporn/Shutterstock

A decisão prevê que as operadoras envolvidas comecem a oferecer o sinal de 5G até 31 de julho de 2022. Os prazos estipulados são os seguintes:

  • 5G disponível nas capitais brasileiras até 31 de julho de 2022;
  • Em cidades com mais de 500 mil habitantes até 31 de julho de 2025;
  • Em municípios com mais de 200 mil habitantes até 31 de julho de 2026;
  • Cidades com mais de 100 mil habitantes até 31 de julho de 2027;
  • Enquanto nas com mais de 30 mil habitantes até 31 de julho de 2028.

De acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Farias, o governo estima que até o final do ano algumas cidades já recebam cobertura 5G.

Durante a reunião, o conselho da Anatel afirmou que a Entidade Administradora da Conectividade de Escolas (EACE) – órgão que será criado com funcionários dos Ministérios da Educação e Comunicações – deverá acompanhar a obrigação das operadoras fornecerem internet para as escolas públicas do país.

O processo do edital foi iniciado em 12 de novembro de 2020, quando encaminhado para deliberação pelo Conselho Diretor. Em 25 de fevereiro de 2021, a proposta foi aprovada pelo colegiado e, em seguida, encaminhada à apreciação do Tribunal de Contas da União (TCU) – que deliberou sua aprovação com sete votos a favor em 25 de agosto de 2021.

Leia também!

Papel das operadoras

As operadoras de telefonia que comprarem as radiofrequências devem seguir uma série de exigências. Os arrematadores das frequências 3,5 GHz, por exemplo, deverão se responsabilizar pela criação da rede privada de 5G do governo federal que será utilizada pelos órgãos públicos, no entanto, a Anatel ampliou o prazo para o feito.

Além disso, as operadoras responsáveis por essa que será a mais concorrida das frequências por ser a mais utilizada no mundo e que afeta diretamente o consumidor final, também devem:

  • Expandir 13 mil quilômetros de cabos de fibra ótica nos leitos dos reios da região Norte;
  • Realizar a troca da faixa de 3,5 GHz que é responsável pela transmissão de TV via parabólica, migrando os usuários para banda Ku e distribuindo kits para conversão.

O restante de todas as operadoras que participarem do leilão do 5G devem investir em instalação de rede 4G em munícipios com mais de 600 habitantes, ampliar a cobertura nas estradas do país e fomentar o roaming nacional obrigatório.

Especial 5G: tudo o que você precisa saber sobre essa tecnologia

As redes 5G funcionam via radiofrequência, da mesma forma que as gerações anteriores. Assim, o que muda da tecnologia nova para as antigas é, basicamente, o espectro coberto que, no caso do 5G, é expressivamente maior. Até por isso que será possível uma maior velocidade, com menor latência e maior cobertura.

Por aqui, os planos do 5G englobam, a partir de 2022, o funcionamento da tecnologia de forma híbrida: uma mistura entre 5G standalone (que não depende da tecnologia 4G) e 4G.

Para saber tudo sobre o 5G, acesse a reportagem especial do Olhar Digital.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Saiba quando sua cidade terá cobertura 5G apareceu primeiro em Olhar Digital.

Na última sexta-feira (25), o governo federal pretende arrecadar cerca de 10 bilhões de reais com o leilão de frequências para o serviço de telecomunicações sem fio de 5G, que está marcado para o dia 4 de novembro. Isso leva em consideração os valores mínimos dos lotes e ofertas para todos eles, de acordo com os membros da Anatel e do Ministério das Comunicações.

Após mais de um ano de análises entre órgãos que incluíram o Tribunal de Contas da União (TCU), o leilão vai exigir várias obrigações de investimentos dos vencedores entre os anos 2022 e 2029, somando um total de cerca de 40 bilhões de reais, considerando os valores mínimos dos lotes.

Em comparação, o leilão do espectro 4G que foi realizado em 2014 e tinha um viés arrecadatório, o governo levantou cerca de 5,8 bilhões de reais, junto com as operadoras Claro, Vivo e TIM sendo as principais vencedoras. Nisso, as obrigações do leilão 5G incluem desde levar internet rápida a milhares de escolas públicas do país até a conexão de corredores rodoviários do país à tecnologia 4G.

“A faixa que chama mais atenção é a de 3,5 GHz, que é a porta de entrada para o 5G”, explicou Morais, presidente da agência, Leonardo de Morais. Conforme ele, a faixa será dividida em cinco blocos de frequência, com valor econômico de 6 bilhões de reais.

Leia mais:

Entre as obrigações associadas, “1,5 bilhão de reais serão voltados para programas de conectividade na Amazônia. Além disso vamos também destinar 1 bilhão de reais destes compromissos dos lotes nacionais para uma rede privativa versada por políticas públicas a serem definidas pelo ministério (das Comunicações”, enfatizou o presidente da Anatel.

Ademais, o presidente da Anatel disse que 2,3 bilhões de reais em obrigações de investimento ligadas ao bloco de 3,5 GHz serão usados para migração de antenas parabólicas de TV aberta, as quais já são usadas por famílias em regiões mais afastadas do país. Cerca de 600 cidades do país receberão infraestrutura de transporte de dados de alta capacidade e com as obrigações previstas para faixa de 3,5 GHz, concluiu.

Fonte: UOL

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post 5G no Brasil: Governo espera levantar R$10 bi em leilão apareceu primeiro em Olhar Digital.

Depois de prometer que se desfaria de boa parte dos seus bens físicos, Elon Musk desistiu de colocar à venda sua “última casa restante”. A palavra “casa” na realidade é um eufemismo, já que o imóvel é uma mansão de US$ 37,5 milhões na região da baía de São Francisco.

Registros da empresa imobiliária Zillow mostram que a residência foi listada como “à venda” pelo proprietário em 13 de junho, mas removida em 11 de setembro. De acordo com o anúncio, a propriedade foi construída em 1961, tem 1,4 mil metros quadrados de espaço interno e ocupa um terreno de 19 hectares em Hillsborough, na Califórnia.

A casa tem garagem para 11 carros, salão de festas, 10 banheiros e (apenas) seis quartos. “É um lugar especial”, descreveu Musk em um tweet. O bilionário prometeu no ano passado vender “todas as posses físicas” para financiar a colonização de Marte, o que inclui um portfólio de US$ 100 milhões em imóveis.

Um dos cômodos da mansão de Elon Musk na Califórnia. Imagem: Zillow/Reprodução
Um dos cômodos da mansão de Elon Musk na Califórnia. Imagem: Zillow/Reprodução

Em junho, Musk disse que vendeu todas as suas casas – exceto a mansão em questão, que ele alugou para eventos. Ele originalmente comprou a propriedade por pouco mais de US$ 23 milhões em 2017 do aristocrata Christian de Guigne IV, cuja família possuía a propriedade por mais de um século.

Dono de uma fortuna estimada de US$ 196 bilhões, o CEO da SpaceX e da Tesla mora atualmente em uma casa pré-fabricada de U$ 50 mil, com apenas 36 metros quadrados. Sua “humilde residência” fica nas instalações de teste da SpaceX, em Boca Chica, no sul do Texas, EUA.

Leia também:

Minimalismo

Elon Musk já havia falado algumas vezes sobre o desejo de vender seus imóveis e boa parte dos seus bens físicos. Segundo ele, o objetivo é realizar o sonho de viver uma vida minimalista, além de financiar sua empreitada para tornar a humanidade uma espécie multiplaneta, estabelecendo a primeira colônia humana em Marte.

Um dos imóveis havia pertencido ao ator Gene Wilder, que viveu Willy Wonka na versão original de “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, de 1971. Por conta disso, a casa não poderia ser demolida ou passar por reformas que fizessem com que ela “perdesse sua alma”. Até o momento, Musk já teve sucesso na venda de quatro casas, tendo arrecadado nada menos do que US$ 356,2 milhões (aproximadamente R$ 1,8 milhões).

Via: Business Insider

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Elon Musk desiste de vender sua última casa, uma mansão de US$ 37,5 milhões apareceu primeiro em Olhar Digital.

Após uma decisão mista de uma juíza na última sexta-feira (10), a Epic planeja apelar contra a conclusão dentro do processo que já se arrasta faz bastante tempo. A desenvolvedora responsável por jogos como Fortnite não concordou com o veredito da magistrada, continuando assim mais um episódio da batalha onde um lado acusa o outro de antitruste.

No final da primeira quinzena de setembro, Yvonne Gonzalez Rogers, juíza federal na Califórnia, decidiu que a Apple não estava tão errada assim com suas regras, mas concordou com a empresa da maçã ao apontar para a Epic por ter violado acordos feitos como desenvolvedora. Por outro lado, a marca responsável por Fortnite também ganhou com Yvonne, aceitando a acusação sobre as regras de pagamento dentro de apps na App Store.

Leia também

A decisão da magistrada foi mista, pesando para o lado da Apple ao permitir que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos abra um novo processo contra a marca da maçã. Mesmo assim, a Epic afirmou neste domingo (12) que vai apelar contra a decisão da juíza.

App Store no iPhone (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
App Store no iPhone (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

Epic pode reclamar da multa milionária

Ainda não está clara qual será a alegação da Epic, mas certamente ela mira em partes da decisão da juíza. Em uma delas, a desenvolvedora foi obrigada a pagar US$ 3,65 milhões em danos por violar os termos da App Store, quando inseriu um código dentro de Fortnite para realizar os pagamentos dentro do jogo por fora do sistema da própria loja.

Outro ponto onde a Epic pode reclamar está na conclusão de que a Apple não viola o mercado e nem age de acordo com o esperado para antitruste. “O Tribunal não pode concluir que a Apple é um monopolista sob as leis antitruste federais ou estaduais”, argumentou a juíza.

“Embora o Tribunal conclua que a Apple possui uma participação de mercado considerável de mais de 55% e margens de lucro extraordinariamente altas, esses fatores por si só não mostram conduta antitruste. O sucesso não é ilegal”, completou a magistrada.

Via: The Verge.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Epic Games vai apelar sobre decisão do caso de antitruste contra a Apple apareceu primeiro em Olhar Digital.

Esta semana, uma juíza federal dos EUA manteve uma decisão anterior do Gabinete de Patentes e Trademark (GPT) americano dizendo que inteligências artificiais (IAs) não podem ser consideradas inventoras. Mas essa briga ainda não terminou para Stephen Thaler, o homem que moveu a ação para garantir que inteligências artificiais tenham o direito de serem listadas como inventoras de patentes.

Tudo começou em 2019, quando Thaler solicitou duas patentes no GPT, para um contêiner de alimentos baseado em geometria fractal e para um facho de luz de emergência. Mas as patentes não listavam Thaler, fundador da Imagination Engines, como o inventor. As invenções teriam sido criadas pela DABUS, uma rede neural, ou IA, programada por ele.

O GPT acabou recusando as patentes, afirmando que só “pessoas naturais” podem ser listadas como inventores nesse tipo de documento. Thaler não se conformou, e processou Andrei Iancu, diretor do gabinete de patentes na época, em um tribunal da Virgínia contestando a decisão. 

Nos documentos do processo, o advogado de Thaler argumenta que “Não há um estatuto ou cláusula que diga que uma invenção gerada por AI não pode ser patenteada, ou que uma AI não possa ser listada como inventora. Qualquer discussão sobre inventores como pessoas naturais tem sido baseada na suposição de que apenas uma pessoa pode inventar, ou para impedir patentes por corporações ou estados às custas de um inventor humano”.

A juíza do processo, Leonie Brinkema, discordou e manteve a decisão do GPT: apenas “indivíduos” podem fazer o juramento de que realmente inventaram uma patente, e indivíduos são “pessoas naturais”, software não são.

Mas Thaler e seus advogados planejam apelar da decisão nos tribunais americanos. E pode não ser em vão: um tribunal australiano concordou com ele de que IAs podem ser consideradas inventoras mês passado. 

Leia mais:

“São humanos que estão negando esses direitos em primeiro lugar, presos ao antigo paradigma de que apenas computadores de carne, ou seja, cérebros, contam”, Thaler disse ao The Register. “O que acontece quando os cientistas conseguirem fazer o download da consciência humana em máquinas? O sistema vai negar os direitos dessas pessoas?” Boa pergunta.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Inteligências artificiais não podem ser consideradas inventoras, só ‘pessoas naturais’, diz juíza apareceu primeiro em Olhar Digital.

O Corinthians entrou oficialmente e fortemente no mundo dos criptoativos nesta quarta-feira (1), data que marca o aniversário de 111 anos do clube. No mesmo dia, os paulistas ganharam o patrocínio da plataforma de criptomoedas Mercado Bitcoin, que vai estampar a marca na parte inferior da camisa do time profissional masculino, e anunciou o lançamento de seu próprio NFT, o $SCCP.

Mais nova patrocinadora do Corinthians, a Mercado Bitcoin entrou no mundo do futebol em 2021 patrocinando as transmissões dos jogos da Conmebol Libertadores no SBT. A empresa, porém, nasceu antes da popularização das criptomoedas, em 2013, no site oficial, a plataforma se descreve como uma companhia que deseja “democratizar o acesso aos ativos digitais”.

Mercado Bitcoin na camisa do Corinthians
Mercado Bitcoin irá expor sua marca na parte inferior da camisa do time de futebol masculino do Corinthians. Crédito: Reprodução/YouTube – Corinthians TV

Em uma pesquisa realizada em 2020, a Mercado Bitcoin foi eleita como uma das 20 plataformas mais confiáveis do mundo para negociações com criptoativos. Hoje, a empresa conta com mais de 2,8 milhões de clientes, o que a torna a maior plataforma de criptomoedas e ativos digitais da América Latina. A empresa negocia as principais moedas digitais, como Bitcoin e Ethereum.

Fan token $SCCP

No aniversário de 111 anos, o Corinthians também anunciou o lançamento da oferta inicial de seu próprio NFT, o $SCCP. Um fan token é um ativo digital que permite aos torcedores influenciar em algumas decisões do clube. No caso do Corinthians, os torcedores poderão, por exemplo, escolher qual frase será escrita no túnel que dá acesso ao campo da Neo Química Arena, o estádio do clube.

O $SCCP terá sua oferta inicial nesta quinta-feira (2) a partir das 10h, ao todo, serão disponibilizados 850.000 tokens, que terão o valor inicial de US$ 2 (R$ 10,37, na cotação atual). Os fan tokens serão disponibilizados por meio do aplicativo de engajamento de fãs Sócios.com, em uma parceria com a fintech especializada na tecnologia blockchain Chiliz.

Leia mais:

Além do Corinthians, outros grandes clubes do mundo possuem suas próprias criptomoedas, entre eles estão Paris Saint-Germain, da França, Juventus e Milan, da Itália, Manchester City e Arsenal, da Inglaterra, e Barcelona, da Espanha. Além de clubes de futebol, equipes de e-sports, como a Heretic e a OG Sports, e as equipes de Fórmula 1 Aston Martin e Alpha Romeo também possuem fan tokens.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Corinthians entra de cabeça no mercado de criptoativos apareceu primeiro em Olhar Digital.