Auto Added by WPeMatico

No início deste mês, a sonda Solar Orbiter, da Agência Espacial Europeia (ESA) em parceria com a Nasa, capturou o Sol em detalhes sem precedentes, enquanto cruzava a “fronteira” entre o astro-rei e a Terra.

Uma das fotos, feita pelo instrumento Extreme Ultraviolet Imager (EUI), é a imagem de maior resolução já obtida do disco completo do Sol, contando com a coroa, sua atmosfera externa.

Foto de maior resolução da história contemplando o Sol por completo. Crédito: Equipe da ESA & NASA/Solar Orbiter/EUI; Processamento de dados: E. Kraaikamp (ROB)

Outra imagem, tirada pelo instrumento Spectral Imaging of the Coronal Environment (SPICE), tirada no comprimento de onda Lyman-beta da luz ultravioleta que é emitida por gás hidrogênio, representa o primeiro registro do Sol desse tipo em 50 anos.

Solar Orbiter usa o instrumento Spectral Imaging of the Coronal Environment (SPICE) para registrar imagens inéditas do Sol. Crédito: ESA & NASA/Solar Orbiter/equipe SPICE; Processamento de dados: G.

Imagem do Sol é formada por mosaico contendo 25 fotos feitas pelo Solar Orbiter

As imagens foram obtidas quando o Solar Orbiter estava a uma distância de aproximadamente 75 milhões de quilômetros, no meio caminho entre o nosso mundo e sua estrela-mãe. A câmera do EUI faz fotos de uma resolução espacial tão alta que, a essa distância, é necessário um mosaico de 25 imagens individuais para cobrir todo o Sol.

Tiradas uma após a outra, as fotos que formam a imagem completa foram capturadas em um período de mais de quatro horas, porque cada ladrilho leva cerca de 10 minutos, incluindo o tempo para a espaçonave apontar de um segmento para o outro.

No total, a imagem final contém mais de 83 milhões de pixels em uma grade de 9148 x 9112 pixels. Para efeito de comparação, essa imagem tem uma resolução dez vezes melhor do que uma tela de TV 4K pode exibir.

Leia mais:

EUI capta imagens do Sol em um comprimento de onda de 17 nanômetros, na região ultravioleta extrema do espectro eletromagnético. Isso revela a atmosfera superior da nossa estrela, a coroa, que tem uma temperatura de cerca de um milhão de graus Celsius.

Nas posições de 2 horas (perto da imagem da Terra para escala) e 8 horas nas bordas do Sol, filamentos escuros podem ser vistos projetando-se para longe da superfície. Essas “proeminências” são propensas a entrar em erupção, lançando enormes quantidades de gás coronal no espaço e criando tempestades solares.

Segundo a ESA, o SPICE foi projetado para traçar as camadas atmosféricas do Sol, desde a coroa até uma camada conhecida como cromosfera, próxima da superfície. O instrumento faz isso observando os diferentes comprimentos de onda da luz ultravioleta extrema que vem de diferentes átomos.

Na sequência de imagens SPICE, o roxo corresponde ao gás hidrogênio a uma temperatura de 10.000°C, o azul ao carbono a 32.000°C, o verde ao oxigênio a 320.000°C e o amarelo ao neon a 630.000°C.

Isso permitirá que os físicos solares rastreiem as poderosas erupções que ocorrem na coroa através das camadas atmosféricas inferiores. Também permitirá que eles estudem uma das observações mais intrigantes sobre o Sol: como a temperatura se eleva através das camadas atmosféricas ascendentes.

Normalmente, a temperatura cai à medida que você se afasta de um objeto quente. Mas acima do sol, a coroa atinge um milhão de graus Celsius, enquanto a superfície é apenas cerca de 5000°C. Investigar esse mistério é um dos principais objetivos científicos do Solar Orbiter.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Solar Orbiter registra imagem do Sol de maior resolução da história apareceu primeiro em Olhar Digital.

Nesta quinta-feira (20), o Observatório de Dinâmica Solar (SDO) da Nasa captou uma erupção solar de nível médio, por volta das 3h da manhã, pelo horário de Brasília. Pela imagem, consegue-se ver os flashes reluzindo na borda do Sol (pela visão da Terra).

Como as explosões foram na borda do Sol, provavelmente não estavam apontado diretamente para a Terra. As rajadas são classificadas como classe média ou M5.5, grau de erupção poderosa o suficiente para potencialmente causar apagões de rádio em regiões polares se atingisse a Terra.

Registro da erupção solar detectada pelo Observatório de Dinâmica Solar da Nasa em 20 de janeiro de 2022. (Crédito da imagem: NASA/SDO)

Tanto o SDO como várias outras missões ficam de olho na atividade do Sol. As chamas são frequentemente acompanhadas por uma ejeção de massa coronal de partículas carregadas que podem gerar auroras na Terra, mas o Centro de Previsão do Tempo Espacial da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica ainda não prevê nenhuma atividade solar significativa para nós.

Leia mais:

Erupção solar é causada por alta concentração de energia magnética

O Sol tem um ciclo de 11 anos de atividade solar, e está atualmente no que os astrônomos chamam de Ciclo Solar 25. Esse número refere-se aos ciclos que foram acompanhados de perto pelos cientistas.

No auge dos ciclos solares, o Sol tem uma série de manchas em sua superfície, que representam concentrações de energia. À medida que as linhas magnéticas se emaranham nas manchas solares, elas podem “estalar” e gerar rajadas de energia.

O pico do Ciclo Solar 25 é um pouco difícil de prever, mas em 2020 a Nasa sugeriu que podemos ver um pico de manchas, erupções solares e ejeções de massa coronal por volta de 2025. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Observatório da Nasa capta erupção solar de nível médio apareceu primeiro em Olhar Digital.