Auto Added by WPeMatico

A chocante decisão de cancelar o filme “Batgirl” parece ter sido apenas o começo para a HBO Max, com rumores apontando para cortes de conteúdo, que resultariam em demissões em massa.

A informação foi publicada pelo CBR.com, que revelou o relato de duas fontes que estimam demissões que podem chegar a 70% da equipe de desenvolvedores da HBO Max.

“Todo mundo na Warner Bros. Discovery está nervoso no momento, e [eles] estão começando a procurar opções alternativas de trabalho, caso eles sejam cortados”, teria dito uma fonte da empresa. “Parece que eles não estão mais fazendo séries roteirizadas da HBO Max, com a HBO assumindo, então menos séries roteirizadas em geral.”

Uma explicação mais detalhada do motivo da potencial onda de demissões e cortes de conteúdo na HBO Max foi dada por outra pessoa com conhecimento da situação. “A HBO Max tem uma equipe de desenvolvimento que é muito pesada. E por que você precisa de uma equipe de desenvolvimento na HBO e na HBO Max? É redundante. Basta que a equipe de Casey Bloys faça todo o desenvolvimento [de produtos] roteirizados para TV.”

Já de acordo com o The Wrap, grandes mudanças feitas pela Warner Bros. Discovery já eram esperadas por Wall Street, com grandes movimentações de realinhamento sendo esperadas nas plataformas de streaming da companhia. Sob o comando do CEO David Zaslav, a Warner Bros. Discovery tem duas grandes plataformas, a HBO Max e o Discovery+.

Leia mais:

A expectativa é que tais mudanças sejam anunciadas por Zaslav durante uma reunião orçamentária que acontece nesta quinta-feira, 4 de agosto. Além da redução no pessoal da HBO Max para eliminar redundâncias com a HBO, existe uma expectativa de que um serviço de streaming combinado entre HBO Max e Discovery+ seja anunciado.

Outro ponto colocado pelo The Wrap, partindo de um manager de Hollywood, é que Zaslav e pessoas em torno dele já vem sinalizando há algum tempo para os melhores showrunners e talentos do mercado, que o chefe de conteúdo da HBO Casey Bloys ocupará uma posição sênior com a combinação dos dois streamings.

Agora, resta saber se tais rumores bombásticos vão se concretizar após a reunião orçamentária desta quarta-feira, 4 de agosto.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post HBO Max: Rumores indicam cortes de conteúdo e demissões em massa apareceu primeiro em Olhar Digital.

Um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento do Autopilot, sistema de direção autônoma da Tesla, Andrej Karpathy, anunciou na quarta-feira (14) que irá deixar a empresa.

A saída de Karpathy, que atualmente era chefe de inteligência artificial, acompanha uma onda de mais de 200 demissões ligadas ao desenvolvimento de piloto automático na companhia de Elon Musk.

“Foi um grande prazer ajudar a Tesla a atingir seus objetivos nos últimos 5 anos e uma decisão de separação difícil”, disse Karpathy, por meio de sua conta no Twitter. “Nesse tempo, o Autopilot passou de [um sistema para] permanência na faixa para as ruas da cidade e estou ansioso para ver a equipe excepcionalmente forte continuar essa pegada.”

O ex-executivo também afirma que não tem planos concretos para o futuro, mas planeja revisitar suas paixões de longo prazo, como trabalho técnico em inteligência artificial, código aberto e educação.

De acordo com informações da Bloomberg, Karpathy planejava voltar à Tesla neste mês após licença sabática para “descansar e viajar”.

Leia mais:

Retirada amistosa

A retirada de Karpathy parece ter sido amigável. No Twitter, o CEO Elon Musk respondeu gentilmente ao tuíte de saída do ex-funcionário. “Obrigado por tudo que fez pela Tesla! Foi uma honra trabalhar com você”, disse o magnata.

Karpathy entrou na Tesla em 2017 e assumiu a chefia de inteligência artificial após Chris Lattner, ex-Apple, ficar seis meses no cargo.

Como líder do departamento, supervisionou o crescimento e o desenvolvimento do Autopilot, o controverso software de assistência ao motorista da Tesla. Atualmente, o programa está sob investigação do governo dos Estados Unidos após a eclosão de acidentes fatais relacionados ao seu uso.

Com informações do The Verge

*Crédito da imagem principal: Askarim/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Líder de desenvolvimento do Autopilot anuncia saída da Tesla apareceu primeiro em Olhar Digital.

Com a desaceleração econômica no setor de tecnologia, o Facebook passou a orientar seus gerentes de engenharia a identificar e demitir funcionários com baixo desempenho.

Em memorando enviado na última sexta-feira (8), o diretor de engenharia Maher Saba solicitou aos gerentes a identificação e a delação de pessoas “com necessidade de apoio” ao sistema interno de recursos humanos.

“Se um subordinado direto está vagando ou tem baixo desempenho, eles não são quem nós precisamos. Eles estão falhando com essa empresa. Como gerente, você não pode permitir que alguém seja neutro ou negativo para a Meta”, diz um trecho do memorando.

Segundo o Washington Post, muitos funcionários do Facebook se chocaram com o memorando, preocupados com possíveis demissões, bônus reduzidos e menos promoções.

“Isso será usado para criar ‘planos de melhoria de desempenho’, o que resultará em demissões em massa”, diz uma fonte anônima familiarizada com o assunto, em entrevista à publicação americana.

No cerne da ameaça corporativa, reside uma provável política de corte de custos no Facebook, que tem visto suas arrecadações com publicidade digital despencarem desde o início deste ano.

Boa parte do problema se deve às recentes mudanças de privacidade na Apple, que impactou não apenas no modelo de negócios do Facebook como Twitter e Snapchat. A Meta não comentou o tema.

Leia mais:

Queda de usuários preocupa executivos do Facebook

No último trimestre de 2021, pela primeira vez em 18 anos, o Facebook perdeu usuários ativos diários. O número estabilizou no início deste ano, mas os executivos da empresa ainda se mantêm inquietos em relação à crescente concorrência de plataformas como o TikTok.

Daí o investimento massivo no Reels, a plataforma de vídeos curtos da Meta. Tanto que, em breve, o produto será aberto à monetização da mesma forma como já é possível com publicações no feed de notícias.

O Facebook também aposta na popularização do metaverso — um termo usado para descrever ambientes virtuais imersivos que são acessados por realidade virtual e aumentada.

Com informações do Washington Post e The Information

*Crédito da imagem principal: Rokas Tenys/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Em fase de contenção de custos, Facebook ameaça demitir funcionários com baixo desempenho apareceu primeiro em Olhar Digital.

Em um nítido sinal contrário à repressão regulatória enfrentada na China, o Alibaba Group e a Tencent Holdings preparam uma das maiores demissões da história. Apesar dos números ainda não terem sido divulgados, acredita-se que somente no Alibaba serão cortados dezenas de milhares de postos de trabalho, o que pode reduzir cerca de 15% de seus funcionários, porcentagem que corresponde a 39 mil colaboradores, segundo uma fonte ouvida pela Reuters. 

A Tencent é proprietária do aplicativo de mensagens líder na China, o WeChat, e prevê também um corte entre 10% e 15% de sua força de trabalho, o que inclui a unidade de supervisão de negócios, como streaming de vídeo e pesquisa. Tratam-se das primeiras grandes demissões desde que os reguladores chineses lançaram uma campanha sem precedentes contra os gigantes da internet do país, iniciada há um ano e meio. 

Queda nas vendas 

Além da repressão regulatória, a economia da China está em desaceleração, com impacto negativo nas vendas, influenciando na queda das ações e redução na previsão de expansão dos negócios. 

Por isso, a Tencent e a Alibaba foram forçadas a cortar custos operacionais. Muitas demissões já começaram, no mês passado, e o negócio de entrega de alimentos Ele.me, do Alibaba, pretende demitir até 25% dos funcionários. 

Desde o início do ano passado, as ações das empresas já caíram mais de 60%. Fora isso, o fundador da Alibaba, o bilionário Jack Ma já criticou publicamente o sistema regulatório da China, o que levou a empresa a arcar com uma multa recorde de US$ 2,8 bilhões. 

Alibaba conta com mais de 250 mil funcionários e tem vários galpões de estoque dos produtos comercializados, todos automatizados; empresa deve fazer demissões por conta da repressão e queda nas vendas. Imagem: Shutterstock

O conglomerado de e-commerce tem mais de 250 mil funcionários e ainda não se tem informações se os cortes atingirão a unidade Alibaba Cloud. 

 Na Tencent, as demissões devem começar pelos setores menos lucrativos, como Tencent Vídeo e Tencent Cloud. Até junho de 2021, a empresa contava com mais de 94 mil trabalhadores.  

Leia mais:

Demissões devem atingir outras empresas  

Os cortes também devem atingir os funcionários da Didi Global, aplicativo de carona, com uma expectativa de redução de 15% em seu quadro de colaboradores.  

A Didi, que foi submetida a uma investigação de segurança cibernética após sua listagem de US$ 4,4 bilhões em Nova York no ano passado, pretende concluir as demissões até o final de março.

Alibaba busca novo CEO 

O setor de mídia do Alibaba Group Holding Ltd. está à procura de um novo executivo-chefe. Isso porque o atual, Gary Liu, foi encarregado de atuar no setor de tokens não fungíveis (NFT) para obras de arte. 

Agora, a empresa está em um esforço concentrado para encontrar um novo líder. Até lá, Liu continuará administrando a companhia.  

Via: Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Alibaba e Tencent anunciam demissões em massa na China apareceu primeiro em Olhar Digital.