Conforme os números atualizados neste domingo (14) pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e pelo Ministério da Saúde, o Brasil registrou 40 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e mais de 5 mil novos casos da doença.

Confira os números atualizados da Covid-19 no Brasil:

  • 40 óbitos nas últimas 24 horas;
  • 5.395 casos confirmados nas últimas 24 horas;
  • 681.437 óbitos acumulados;
  • 34.170.286 casos confirmados no total;
  • Média móvel de 206 mortes e 21.702 casos nos últimos 7 dias.

Leia mais!

Covid-19 no Brasil

Após chegar ao Brasil em março de 2020, o vírus da Covid-19 se espalhou rapidamente. Pouco mais de dois anos e meio depois da chegada da pandemia no país, foi alcançada a assustadora marca de 681 mil mortes.

Com momentos de alta e de baixa nos novos casos e no número de mortes, o país só teve um cenário de melhora na pandemia após o avanço da vacinação. Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 164 milhões de pessoas já estão com o esquema vacinal completo e cerca de 104 milhões já tomaram pelo menos a primeira dose de reforço.

Covid-19: situação no mundo

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o novo coronavírus já infectou mais de 560 milhões de pessoas em todo o mundo. O marco é alcançado mais de dois anos e meio após seu surgimento na cidade chinesa de Wuhan, em dezembro de 2019. O número de mortos por Covid-19 no mundo já ultrapassou 6,3 milhões.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Brasil registra 40 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas apareceu primeiro em Olhar Digital.

De acordo com dados do Banco Central (BC), o número de chaves PIX cadastradas no Brasil já ultrapassou o tamanho da população do país. Conforme divulgado pelo G1, até julho deste ano foram registradas 478 milhões de chaves, duas vezes mais que os 214,9 milhões de brasileiros

Segundo o BC, 95% das chaves são de pessoas físicas e o tipo preferido é o aleatório, com 39,8% do total. O ranking continua com o CPF (22,7%), número de celular (21%) e endereço de e-mail (14,7%). O tipo de transferência também já desbanca os métodos antigos, como cartão pré-pago, transferências intrabancárias (se processam entre contas abertas na mesma instituição) e débito direto. 

Número de chaves PIX cadastradas já é o dobro da quantidade de brasileiros. Imagem: Brenda Rocha – Blossom / Shutterstock.com.

A chave PIX aleatória, a queridinha dos brasileiros conforme pesquisa, é uma combinação de caracteres gerada aleatoriamente para você receber dinheiro sem precisar compartilhar seus dados bancários ou informações pessoais com pessoas desconhecidas. Assim, acaba se tornando uma opção mais segura. 

Desenvolvido em 2018, o PIX foi lançado em novembro de 2020 e de lá para cá o número de usuários cadastrados triplicou – passando de 41 mil para 131 mil. A adesão às funcionalidades PIX Saque e o PIX Troco, que foram lançadas em novembro de 2021, ainda é mais baixa na comparação com o total de transações, mas também vem crescendo.   

Em julho deste ano, o sistema movimentou R$ 933 bilhões em mais de 2 trilhões de transações. No mesmo período as modalidades de Saque e Troco já alcançaram 270 mil transações. 

Leia mais! 

Apesar da expansão e avanço do sistema financeiro, novos riscos também acabam surgindo. Na última segunda-feira (8), a Superintendência Regional da Polícia Federal em Pernambuco emitiu um alerta sobre um novo golpe que mistura WhatsApp, PicPay e o PIX.

Os criminosos estão utilizando o app de mensagens fingindo ser a carteira digital do PicPay com a promessa de transferir R$ 200 pelo PIX. Confira detalhes do caso aqui! 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Número de chaves PIX cadastradas já é o dobro da quantidade de brasileiros apareceu primeiro em Olhar Digital.

Os irmãos Duffer não devem introduzir novos personagens durante a quinta temporada de Stranger Things. O alívio para os fãs da série nasceu em uma entrevista com Matt e Ross Duffer. A dupla promete mais foco em histórias já em andamento, como a de Onze, Will e Mike, Dustin e Lucas.

Stranger Things é uma das poucas séries que consegue cativar praticamente todos os públicos ao mesmo tempo e por longos anos. Porém, a produção também começou a acumular histórias novas e dividir espaço com a equipe principal, introduzida logo no primeiro episódio da primeira temporada – sim, tem gente demais nessa narrativa.

Leia também

Para alívio de quem quer mais respostas dos arcos iniciados nos primeiros momentos da série, os irmãos Duffer prometeram não incluir muitos novos personagens na quinta e última temporada de Stranger Things. Ao menos é o que disseram Matt e Ross Duffer ao IndieWire.

Onze deve ter foco em temporada de Stranger Things. (Imagem: divulgação/Netflix)
Onze deve ter foco em temporada de Stranger Things. (Imagem: divulgação/Netflix)

Stranger Things focará nos personagens originais

“Eu gosto de agitar, então nós agitamos ao mudar o enredo ou adicionando um novo monstro. Estamos fazendo o nosso melhor para resistir (à adição de novos personagens) para a quinta temporada. Estamos tentando não fazer isso para que possamos focar nos personagens originais”, comentou Matt Duffer.

Por “personagens originais” eu entendo todas as crianças (que não são mais crianças, né) de Hawkins e suas famílias, incluindo o policial Hoper e até mesmo alguns mais crescidos, como Robin e Nancy Wheeler.

Ainda não está claro qual será o caminho da quinta temporada, mas os irmãos Duffer já deram algumas entrevistas apontando que ela será menor que a quarta, além de focar ainda mais na explicação do Mundo Invertido. A previsão de lançamento desta, que será a última parte da história de Stranger Things, é de chegar ao streaming da Netflix em algum momento de 2024.

Stranger Things perdeu parte de seu charme na terceira temporada, mas na quarta e atual a série conseguiu marcar história ao ser a segunda mais vista de toda Netflix, perdendo apenas para o sucesso da produção coreana de Round Six.

Via: IGN.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Stranger Things não deve introduzir muitos personagens na quinta temporada apareceu primeiro em Olhar Digital.

O Spotify é uma das plataformas de streaming de música mais populares do mundo. Assim, visto que ela é uma das mais utilizadas e que muita gente prioriza características como som alto e limpo, separamos, com a ajuda do CNET, três dicas para você melhorar o volume e qualidade das suas músicas a partir das configurações do próprio aplicativo. 

Vale ressaltar que, é possível que apenas contas premium consigam realizar algumas alterações, ou seja, assinantes do serviço de streaming do Spotify, mas a tentativa vale para todos os usuários, já que as orientações envolvem apenas configurações do app. Dito isso, vamos às dicas! 

spotify
Spotify mais alto: confira três dicas para aumentar e melhorar o som do app. Crédito: Make Use Of/ Spotify
  1. Ajuste o volume 

O Spotify permite que usuários premium ajustem o volume base do aplicativo para se adequar ao ambiente ou gosto da pessoa. A opção autoriza que você mantenha o volume padrão em nível Baixo, Normal ou Alto. Veja a seguir como encontrar as alternativas. 

1. Abra o aplicativo Spotify. 
2. Toque no ícone de engrenagem no canto superior direito da tela. 
3. Toque na opção Reprodução próximo ao topo do menu. 
4. Vá até Nível de volume e tick a opção que melhor te atende: Alto, Normal e Baixo (em alguns pode vir escrito silencioso).   

Conforme destacado no aplicativo, optar pelo volume Alto pode reduzir a qualidade do áudio. 

  1. Equilibre o equalizador 

Ajustar o equalizador ajuda a equilibrar os graves e agudos de cada música. Os graves afetam os sons de frequência mais baixa e os agudos as frequências de som mais altas. O objetivo aqui é tornar o áudio mais nítido. 

Para encontrar o Equalizador, siga o mesmo caminho da dica anterior e clique em “Equalizador”. Em seguida, escolha o tipo de equalizador que quer aplicar. Você pode ir aplicando enquanto ouve uma música, por exemplo, para assim ir testando as diferenças. 

Também é possível aplicar a tecnologia a podcasts ou desativar o efeito por completo. 

  1. Qualidade do áudio e o detalhe dos dados móveis 

Aqui, além de uma boa dica, vai também uma curiosidade: quanto maior a qualidade de áudio, mais dados móveis consumidos. No geral, a opção “Automática” em qualidade de áudio já abrange tudo porque se adapta automaticamente a qualquer situação que você esteja – em uma rede Wi-Fi ou não. 

Então vai muito do que você deseja ou dispõe de dados para utilizar. Vale mencionar que nem todo mundo nota diferença em uma qualidade de áudio automática ou Alta, por exemplo. 

Contudo, veja abaixo como acessar as configurações: 

1. Abra o aplicativo Spotify. 
2. Toque no ícone de engrenagem para acessar Configurações. 
3. Role para baixo até ver o título Qualidade de áudio 
4. Em Streaming WiFi e Streaming de celular você pode selecionar, separadamente, a qualidade de acordo com a conexão em que estiver. A opção “Altíssima” só aparece para assinantes. 

Vale ressaltar que todas as dicas servem também para o acesso em celulares Android ou computadores com sistema iOS e Windows

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Spotify mais alto: confira três dicas para aumentar e melhorar o som do app apareceu primeiro em Olhar Digital.

A fome da Apple por startups pode seguir em uma queda bastante acentuada em 2022, seguindo quase os mesmos passos do ano passado. Esta é a previsão de Mark Gurman em sua newsletter Power On, da Bloomberg. Em 2022 a empresa da maçã deve gastar cerca de 11% do que já colocou em companhias em 2020.

O mercado funciona mais ou menos assim, valendo para além das empresas de tecnologia: quando uma marca é bastante grande, ela tende a comprar companhias muito menores e que criam novos recursos interessantes, ou então alguma não tão pequena e que tem algo importante.

Leia também

O Google vive fazendo isso e mata serviços como foi com o Bump, ou incorpora propriedade intelectual, como fez com a Motorola. A Apple vem fazendo mais ou menos a mesma coisa, como quando a empresa da maçã trouxe para dentro de casa a responsável pela Siri em 2010 e os nomes que criaram o reconhecimento facial do Face ID logo depois – indo até o Shazam, para reconhecer músicas diretamente pelo iOS.

Apple já gastou quase US$ 4 bilhões em aquisições

A fome da Apple por empresas já foi grande, como em 2014 quando gastou US$ 3,8 bilhões em aquisições, com o número caindo e voltando a crescer entre 2018 e 2020, quando assinou cheques somados de US$ 721 milhões e US$ 1,5 bilhão, respectivamente. Desde então as compras praticamente foram suspensas.

Em 2021 a Apple comprou apenas uma empresa (a Primephonic) por US$ 33 milhões e em 2022 o número continua baixo, colocando duas companhias para dentro com cheques somados de US$ 169 milhões – ao menos neste ano Tim Cook já trouxe o dobro de empresas de 2021 e gastou mais de 5 vezes o valor daquele ano, olhe só.

Mark Gurman não soma o que a Apple vem gastando no mundo do streaming, em especial para o Apple TV+ que vem comprando produções e a distribuição de muito conteúdo, incluindo a recente aquisição dos direitos de transmissão dos campeonatos de baseball e futebol dos Estados Unidos.

A menor quantidade de compras não significa problemas financeiros para a Apple, pois no último trimestre fiscal, com informações publicadas em julho deste ano, a empresa da maçã lucrou US$ 19,4 bilhões. Este número caiu quando comparado com o anúncio do período anterior, mas a receita foi recorde ao marcar US$ 83 bilhões no final de junho.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Apple desacelera compras de startups, mas já gastou 5 vezes mais que em 2021 apareceu primeiro em Olhar Digital.

Um time de pesquisadores de diversas instituições dos Estados Unidos conseguiu retirar um núcleo de gelo da Antártida, que contém amostras da atmosfera da Terra de até 5 milhões de anos atrás.

A amostra foi retirada do Ong Valley, na Antártida, e o feito foi publicado no The Cryosphere, onde os cientistas explicaram o motivo da escolha do local para coleta da amostra e o que eles esperam descobrir com os estudos deste núcleo de gelo.

A retirada de núcleos de gelo da Antártida por cientistas não é novidade e vem sendo feita há vários anos. O objetivo é estudar as bolhas de ar que ficaram presas no gelo, com algumas datando de milhões de anos atrás. Assim, é possível aprender mais sobre a atmosfera da Terra na época em que estas bolhas ficaram presas.

Até agora, as retiradas de núcleos de gelo vinha sendo feita em localidades mais a leste da Antártida, visto que o gelo nesta área foi depositado lentamente em camadas facilmente determinadas ao longo de milhões de anos.

amostra antártida
Mapa e imagens de satélite dos locais de coleta. Imagem: The Cryosphere.

Mas desta vez os pesquisadores decidiram coletar amostras do Ong Valley, que fica localizado nos Montes Transantárticos, que separam os lados leste e oeste da Antártida. Nesta região, o gelo foi depositado por geleiras que desciam das montanhas e, à medida que o gelo ao topo derretia, as rochas puxadas das montanhas criaram uma camada protetora para o gelo abaixo delas.

Pesquisas anteriores já sugeriam que o gelo localizado abaixo destas rochas poderia datar de até 5 milhões de anos atrás. Além do fato de ser mais antigo do que nos locais previamente escavados, o gelo no Ong Valley tem espessura inferior, o que permite a obtenção de núcleos que podem ser usados nas pesquisas, sem a necessidade de perfurações profundas.

Leia também:

As amostras foram coletadas entre 2017 e 2018, e os pesquisadores conseguiram ter acesso ao gelo localizado por baixo das rochas, e coletar uma amostra de 9,5 metros de comprimento.

A partir disso, testes de iniciais isótopos contidos no núcleo apontaram uma idade do gelo entre 3 milhões a pouco mais de 5 milhões de anos. Além disso, os pesquisadores descobriram que o gelo por baixo das rochas na verdade é contido de duas camadas, o que sugere que duas geleiras acabaram naquele local, com milhões de anos de diferença entre elas.

Via Phys.org.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Como era a Terra há 5 milhões de anos? A resposta pode estar na Antártida apareceu primeiro em Olhar Digital.

Conforme os números atualizados neste sábado (13) pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e pelo Ministério da Saúde, o Brasil registrou 144 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e mais de 16 mil novos casos da doença.

Confira os números atualizados da Covid-19 no Brasil:

  • 144 óbitos nas últimas 24 horas;
  • 16.760 casos confirmados nas últimas 24 horas;
  • 681.397 óbitos acumulados;
  • 34.164.891 casos confirmados no total;
  • Média móvel de 208 mortes e 21.960 casos nos últimos 7 dias.

Leia mais!

Covid-19 no Brasil

Após chegar ao Brasil em março de 2020, o vírus da Covid-19 se espalhou rapidamente. Pouco mais de dois anos e meio depois da chegada da pandemia no país, foi alcançada a assustadora marca de 675 mil mortes.

Com momentos de alta e de baixa nos novos casos e no número de mortes, o país só teve um cenário de melhora na pandemia após o avanço da vacinação. Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 160 milhões de pessoas já estão com o esquema vacinal completo e 95 milhões já tomaram pelo menos a primeira dose de reforço.

Covid-19: situação no mundo

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o novo coronavírus já infectou mais de 560 milhões de pessoas em todo o mundo. O marco é alcançado mais de dois anos e meio após seu surgimento na cidade chinesa de Wuhan, em dezembro de 2019. O número de mortos por Covid-19 no mundo já ultrapassou 6,3 milhões.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Brasil registra 144 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas apareceu primeiro em Olhar Digital.

Você sabe seu tipo sanguíneo? Se não, procure fazer um exame para descobrir, porque a ciência tem descoberto que ele pode indicar propensão a doenças e a condições de saúde.

Antes de explicar o que os pesquisadores encontraram, vale lembrar o que são tipos sanguíneos. Eles são formados por uma das letras A, B ou O e um sinal de positivo ou negativo.

As letras representam se o seu corpo está programado para produzir antígenos. Assim, os sangues A e B produzem antígenos, enquanto o sangue tipo O não produz nenhum. Já o positivo ou negativo diz respeito a existência (ou não) de proteínas Rhesus nos glóbulos vermelhos.

Risco para coração e cognição

Pessoas com sangue tipo A, tipo B ou tipo AB são ligeiramente mais propensas do que aquelas com tipo O a ter um ataque cardíaco ou sofrer insuficiência cardíaca, de acordo com a Associação Americana do Coração.

Em números, as pessoas com os tipos A ou B tiveram um risco combinado 8% maior de ataque cardíaco e 10% maior risco de insuficiência cardíaca, segundo um grande estudo divulgado pela associação.

Ao mesmo tempo, esses tipos sanguíneos apresentam problemas graves de coagulação, que também podem contribuir para aumentar o risco de insuficiência cardíaca. Aqueles com os tipos sanguíneos A e B foram 51% mais propensos a desenvolver trombose venosa profunda e 47% mais propensos a desenvolver embolia pulmonar.

Outra pesquisa descobriu que pessoas com sangue tipo AB podem ter um risco aumentado para deficiência cognitiva, o que inclui problemas para lembrar, focar ou tomar decisões.

Risco para hemorragias

Se o tipo sanguíneo O se saiu melhor para doenças cardíacas, o mesmo não é verdade para hemorragias. Um estudo, por exemplo, descobriu que mulheres com esse tipo sofrem um risco maior de hemorragias no pós-parto.

Outro estudo, publicado na Critical Care, descobriu que pessoas com o tipo O também podem se sair pior após uma lesão traumática devido ao aumento da perda de sangue.

Leia também:

E agora?

Embora essas pesquisas mostrem que o tipo sanguíneo pode influenciar na saúde, o médico hematologista Douglas Guggenheim acredita que todos devem fazer uma boa dieta anti-inflamatória – independentemente do tipo sanguíneo.

Porém, ele pondera que pesquisas futuras poderão contribuir para tratamentos mais personalizados. Por exemplo, um paciente com colesterol alto e tipo sanguíneo A poderá receber uma prescrição diferente de outro com o tipo sanguíneo O.

Via CNET.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Seu tipo sanguíneo pode influenciar quais doenças você pode ter apareceu primeiro em Olhar Digital.

Virar o Homem-Aranha ficou um pouco mais fácil para pessoas comuns, que nunca foram mordidas por aranhas radioativas, com um novo lançador de teias desenvolvido por uma startup americana.

Se na primeira trilogia do Homem-Aranha nos cinemas o Peter Parker de Tobey Maguire usava teias que saiam diretamente de seus pulsos, os “cabeças de teia” de Andrew Garfield e Tom Holland fazem uso de um dispositivo acoplado em seus trajes para soltar as famosas teias que os ajuda a se locomover, salvar pessoas e lutar contra vilões.

Usando tais dispositivos como inspiração, a startup HeroTech criou um lançador de teias de verdade batizado de Magnus. Trata-se de algo semelhante a um relógio, que já está disponível para ser adquirido pelos amantes do herói, com duas opções de pulseira: couro legítimo marrom escuro ou nylon balístico azul.

O lançador de teias

lançador de teias
Imagem: HeroTech

O dispositivo Magnus utiliza um sistema de ímãs de neodímio de projéteis de mola para simular o utilizado pelo herói. O fio – ou teia – é capaz de grudar em superfícies metálicas a uma distância de até três metros, e o cartucho para recarregá-lo tem padrão de barras de LED, que também funciona como um relógio.

Além disso, não é recomendado que seja feita pressão ou força no fio, e nem que o ímã seja atirado em objetos eletrônicos, de armazenamento de dados ou também pessoas com marca-passo.

Ao adquirir o produto, ele chegará desmontado, com a embalagem contendo o dispositivo MAGNUS, um cartucho de rosca de recarga elétrica, um cartucho de relógio, dois projéteis magnéticos de neodímio, dois rolos do fio SpiderWire, uma chave de fenda de cabeça cilíndrica, uma chave de fenda Stanley e carregador de bateria LiPO.

Confira a demonstração completa do produto e seu funcionamento no vídeo abaixo:

Leia mais:

Semelhante a um relógio, o dispositivo está em pré-venda no site de compras Etsy por US$ 349, em torno de R$ 1.800. É possível adquirir o produto com entrega para o Brasil, pagando um frete de US$ 25 e ficando sujeito à tributação da Receita Federal. A previsão de entrega dos pedidos é a partir de outubro.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Startup desenvolve lançador de teias como os do Homem-Aranha; saiba onde comprar apareceu primeiro em Olhar Digital.

A Uber anunciou que seu programa de recompensas Uber Rewards será encerrado em breve. A informação foi dada neste sábado (13) em um comunicado suscinto aos usuários por e-mail, sem explicar o por quê da alteração ou se o programa será substituído por outro.

De acordo com o cronograma informado pela empresa, os usuários poderão acumular pontos até o dia 31 de agosto. Já a troca de pontos por benefícios poderá ser feita até o dia 31 de outubro. Por fim, no dia 1º de novembro o programa será totalmente encerrado.

Leia também:

Como funciona o Uber Rewards?

O programa de recompensas da Uber funciona da seguinte forma: quanto mais viagens você faz, mais pontos ganha. Ao acumular pontos, você é enquadrado em um dos quatro níveis disponíveis: azul, ouro, platina ou diamante.

O primeiro nível é o Azul e ele é o nível padrão. O segundo, é o Ouro, que é desbloqueado com 400 pontos. O terceiro, é o Platina, alcançado a partir de 1.500 pontos. Por fim, o nível Diamante é alcançado com 4.000 pontos.

No entanto, o nível não é fixo. Durante o período de seis meses, você acumula pontos e desfruta dos benefícios daquele nível. Após o período da janela de acúmulo, os pontos zeram e o membro do programa deve acumular novos pontos.

Veja as vantagens de cada nível:

  • Ouro: motoristas com boas avaliações, suporte prioritário, escolha de recompensas e ganhar 1 ponto por cada real gasto em viagem (sendo o dobro para Uber Black e Comfort);
  • Platina: os benefícios do nível Ouro, além de proteção de preço em um trajeto e prioridade de embarque em aeroportos;
  • Diamante: os benefícios do nível Diamante, além de ganhar 4x pontos com viagens no Uber Black ou Comfort.

Atualmente, os pontos resgatáveis dão desconto de 5% em uma viagem ou 5% de cashback ao reservar um hotel no Booking.com.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Uber anuncia fim do programa de recompensas Uber Rewards apareceu primeiro em Olhar Digital.